segunda-feira, 20 de fevereiro de 2017

Eu ouvi falar em mico?

Olá minhas amoras? Como vão vocês? Eu preciso saber da sua vida aaaah!  Não pera, rebobina a fita. Não era pra eu cantar, desculpa. Mas enfim,  tão bem? Espero que sim. E espero que estejam ansiosos para o post de hoje.



Hoje é dia de... resenha! Mas Ei,  a resenha foi cancelada. Opa! Sorry, but not sorry. Deixa eu contar pra vocês o que aconteceu.
Então, eu não contei ainda, mas esse ano eu consegui entrar pra faculdade. Uhuul! Sou uma caloura de Psicologia,  baby's.
Eu comecei essa semana já que a burocracia nesse país é uma maravilha. E como esse blog foi criado num momento da minha vida onde não havia escola o qualquer coisa assim, eu ainda tô meio perdida.

Sim, é o que você tá pensando... Eu estou num caos. É coisa pra correr atrás na faculdade, livro, caderno, matéria perdida. Aí é livro pra ler por conta do blog, resenha, pensar num post diferente. Olha, tá bem bagunçado.

Mas carma que tudo vai se acalmar.

E enquanto isso não acontece, vamos ter um clima mais divertido aqui no Esquadrão Literário. Por exemplo, hoje não tem resenha, mas tem post mais pessoal.

Isso mesmo. Sugerido pela Bia, hoje vamos falar sobre aqueles momentos não tão agradáveis assim, mas que todo mundo já passou e ainda vai passar: O Mico!

Eu sou a pessoa que paga mais mico, pode acreditar. Culpe a minha lerdeza ou a minha completa falta de equilíbrio. Parece descrição de mocinha de romance? Parece. Mas isso aqui esta mais pra comédia pastelão do que qualquer outro gênero.
Querem ver?

Só essa semana eu já entrei na sala de aula errada duas vezes, já levantei na hora de saltar do ônibus e levei junto o estofado da cadeira (isso aí já não é totalmente culpa minha) e já me levantei no meio da aula pra fazer uma pergunta pro professor, mas esqueci completamente e tive que sentar de volta, fazendo com que todos olhassem para mim.

É, essa semana foi muito tumultuada. Mas claro que minha vida de micos não se resume a isso.

Advinha quem já teve crise de espirro com o incenso da igreja? Eu.
Quem já deixou escapar palavras inapropriadas no meio do grupo e foi ouvida porque justamente naquela hora todo mundo calou a boca? Eu de novo.
Quem já caiu no colo de uma senhora quando o ônibus brecou do nada? Opa, presente!
E quem já se perdeu no Shop que frequenta por uns 3 anos? Haha, olha eu de novo.
Perai! Quem acabou cantando no meio da rua porque se empolgou e só percebeu quando todo mundo olhou torto? Se você acha que fui eu, acertou de novo.

Gente eu sou muito desligada. Eu faço umas coisas sem querer e outras por querer mesmo, mas sem nem prestar atenção onde eu tô.

Por causa disso já tive que escutar muita gente me dizendo que eu era desaforada, apenas porque pensei meio alto.

Mas fazer o que? A gente só tem duas certezas na vida:
1) um dia vamos morrer
2) enquanto isso não acontece, a gente paga mico

Não é fácil. É sobre esse mico de cantar no meio da rua, acontece uma vez por semana. Porque não sei se é assim com vocês, mas pra mim música boa tem que ser em dupla: eu e o cantor. Se eu não cantar, ou eu tô triste ou a música não é boa.

Ah, você deve ter uma voz belíssima pra cantar desse jeito.

Ata. Ata! Amigo, não se ilude. Eu sou a pessoa mais desafinada que você vai conhecer. Eu faço uns falsete não tem. Se for em inglês então, esquece. Seu pai deve acertar mais do que eu no karaoke.

Exagerei? Tá,  desculpa.  O fato é: eu não canto bem.

Mas canto do mesmo. Você acha que vou deixar esse pequeno detalhe técnico me atrapalhar?  Ah,  mas não vou mesmo.

E é por isso que eu sempre dou pinta de doida pela rua. Virou minha marca registrada já, de tanto que repito esse mico.

Enfim,  já deu pra perceber a minha sorte né? Mas chega de falar de mim,  me conta agora quais foram seus maiores micos. Se não lembrar, tem problema não. Conta o último mesmo que eu fico feliz do mesmo jeito.

Por hoje foi só amorecos,  mas a semana tá só começando e eu ainda tô só me aquecendo.

Nenhum comentário:

Postar um comentário