quinta-feira, 5 de janeiro de 2017

TBR - Janeiro




Olá amoras!

Como que vocês estão? Eu estou muito bem, obrigada. E bastante animada com esse novo ano. Sério, estou praticamente em êxtase só de pensar em quantos livros vou ler esse ano. Pensando nisso, resolvi trazer para vocês a minha meta de livros para esse mês.

Eu ia fazer para o ano inteiro, mas sei que na metade dele vou acabar mudando a vibe que estou agora, então não vou estipular nada. A única meta é ler mais do que ano passado, que foi um lindo número de 48 livros. Poucos? Eu sei.

Então, vamos para a minha meta do mês?




A Menina que Roubava Livros

Ao perceber que a pequena Liesel Meminger, uma ladra de livros, lhe escapa, a Morte afeiçoa-se à menina e rastreia suas pegadas de 1939 a 1943. A mãe comunista, perseguida pelo nazismo, envia Liesel e o irmão para o subúrbio pobre de uma cidade alemã, onde um casal se dispõe a adotá-los por dinheiro. O garoto morre no trajeto e é enterrado por um coveiro que deixa cair um livro na neve. É o primeiro de uma série que a menina vai surrupiar ao longo dos anos. O único vínculo com a família é esta obra, que ela ainda não sabe ler. Assombrada por pesadelos, ela compensa o medo e a solidão das noites com a conivência do pai adotivo, um pintor de parede bonachão que lhe dá lições de leitura. Alfabetizada sob vistas grossas da madrasta, Liesel canaliza urgências para a literatura. Em tempos de livros incendiados, ela os furta, ou os lê na biblioteca do prefeito da cidade. A vida ao redor é a pseudo-realidade criada em torno do culto a Hitler na Segunda Guerra. Ela assiste à eufórica celebração do aniversário do Führer pela vizinhança. Teme a dona da loja da esquina, colaboradora do Terceiro Reich. Faz amizade com um garoto obrigado a integrar a Juventude Hitlerista. E ajuda o pai a esconder no porão um judeu que escreve livros artesanais para contar a sua parte naquela História.


Misery


Paul Sheldon descobriu três coisas quase simultaneamente, uns dez dias após emergir da nuvem escura. A primeira foi que Annie Wilkes tinha bastante analgésico. A segunda, que ela era viciada em analgésicos. A terceira foi que Annie Wilkes era perigosamente louca. Paul Sheldon é um famoso escritor reconhecido pela série de best-sellers protagonizados por Misery Chastain. No dia em que termina de escrever um novo manuscrito, decide sair para comemorar, apesar da forte nevasca. Após derrapar e sofrer um grave acidente de carro, Paul é resgatado pela enfermeira aposentada Annie Wilkes, que surge em seu caminho.A simpática senhora é também uma leitora voraz que se autointitula a fã número um do autor. No entanto, o desfecho do último livro com a personagem Misery desperta na enfermeira seu lado mais sádico e psicótico. Profundamente abalada, Annie o isola em um quarto e inicia uma série de torturas e ameaças, que só chegará ao fim quando ele reescrever a narrativa com o final que ela considera apropriado. Ferido e debilitado, Paul Sheldon terá que usar toda a criatividade para salvar a própria vida e, talvez, escapar deste pesadelo.


Azul da Cor do Mar


ACASO, DESTINO ou LOUCURA? No caso de Rafaela, Pode ser tudo isso junto. Para alguém como ela, nada é impossível.
Rafaela sonha desde a adolescência com o garoto que viu uma vez, perto do mar, carregando uma mochila xadrez... A idéia fixa não a impediu, porém, de ser uma menina alegre e muito decidida.
Ela quer ser jornalista, e seu sonho está se concretizando: Rafaela Vilas Boas (um nome tão imponente para alguém tão desajeitado) conseguiu um estágio no melhor jornal de Minas Gerais. Mas, como estamos falando de Rafa, alguma coisa tinha que dar errado. O jornal é mesmo incrível, mas seu colega de trabalho, Bernardo, não é a pessoa mais simpática do Mundo.
Em meio a reportagens arriscadas – e alguns tropeços -, Bernardo acaba percebendo, contra a sua vontade, que Rafaela leva jeito para a coisa... E que eles formam uma dupla de tirar o fôlego.
Mas e a mochila? E o garoto, o envelope, as cartas? Um dia a estabanada Rafaela vai ter que se libertar dessa obsessão.

Coloquei apenas 3 livros porque não sei como vai ser meu ritmo de leitura esse ano. Espero que seja muito mais fluído que do ano passado, mas vamos esperar. Conforme eu for lendo, vou atualizando vocês. Então fiquem de olho ao Twitter e ao Skoob. Não direi Instagram porque ainda estou sem celular, então não sei quando voltarei a atualizá-lo.

Agora eu quero saber de vocês. Quais livros esperam ler ainda esse mês? Contem para mim.

Um cheiro para vocês!



5 comentários:

  1. A Menina que Roubava Livros é uma escolha maravilhosa, gosto tanto dele que tenho as duas edições!!! E estou louca para começar a ler Stephen King, mas ainda não sei por onde começar :/

    http://www.morandoempasargada.com.br

    ResponderExcluir
  2. Olá!
    Gostei das suas dicas.
    A menina que roubava livros é um ótimo livro e retrata muito os tempos difíceis na Alemanha. Já Stephen King sempre vejo as capas e fico com mais vontade de conhecer a leitura espero conseguir concluir alguma obra ainda esse ano. A última dica eu ainda não tive contato mas parece ser bem interessante.
    Obrigada pelas dicas!

    Até a próxima!

    Camila de Moraes.

    ResponderExcluir
  3. 48 livros foi um bom numero para o ano passado! Bem, eu sou mais da filosofia, então meu gosto literário está bem distante do seu. Não faço pré visualização do que quero ler, vou, conforme surgem assuntos que exijam, vou procurando livros que possam me ajudar a esclarecer ideias. Tb gosto da literatura fictícia, mas ai pendo para as aventuras, aquelas de tirar o fôlego e leio muito poesia tb por ser um dos gêneros que escrevo. É isso. Bjs e parabéns por suas leituras.

    ResponderExcluir
  4. Não sei como ainda não li "A menina que roubava livros", está na minha lista de espera há séculos! Fico atenta para ver a sua opinião... ;)
    Quanto ao do Stephen King: mais um para a minha lista! Merci*

    Pseudo Psicologia Barata

    ResponderExcluir
  5. Desses, o que mais chamou minha atenção, foi "Misery". Adoro o filme e tenho profunda curiosidade pelo livro, então em 2017 espero lê-lo também.

    Beijos!

    ResponderExcluir