segunda-feira, 27 de junho de 2016

O Beijo das Sombras

Hello people!
Segundona chegou mais cedo do que eu esperava, mas isso não é motivo pra gente se entristecer. Nada disso. Vocês sabem muito bem disso. Segunda é dia de resenha!

Eu já falei dessa saga umas três vezes aqui no blog, então não é segredo pra ninguém que eu sou totalmente apaixonada. Se eu pudesse escolher, esta seria a minha saga preferida. Então eu já peço desculpas antecipadas por toda e qualquer tietagem que eu venha a fazer. Eu não faço por mal. É que é tanto amor que não da pra controlar. 

Vamos lá, então?



Antes de qualquer coisa, eu preciso avisar que eu realmente não sou apaixonada por livros que tenham pessoas na capa. Não é nada pessoal. Só acho que isso quebra um pouco da imaginação do leitor. O mesmo acontece quando vemos o filme antes do livro, mas ai já não tem jeito mesmo. 

Lissa Dragomir é uma adolescente especial, por várias razões: ela é a princesa de uma família real muito importante na sociedade de vampiros conhecidos como Moroi. Por causa desse status, Lissa atrai a amizade dos alunos Moroi mais populares na escola em que estuda, a São Vladimir. Sua melhor amiga, no entanto, não carrega consigo o mesmo prestígio: meio vampira meio humana, Rose Hathaway é uma Dampira cuja missão é se tornar uma guardiã e proteger Lissa dos Strigoi - os poderosos vampiros que se corromperam e precisam do sangue Moroi para manter sua imortalidade.
Pressentindo que algo muito ruim vai acontecer com Lissa se continuarem na São Vladimir, Rose decide que elas devem fugir dali e viver escondidas entre os humanos. O risco de um ataque dos Strigoi é maior, mas elas passam dois anos assim, aparentemente a salvo, até finalmente serem capturadas e trazidas de volta pelos guardiões da escola.
Mas isso é só o começo. Em O Beijo das Sombras, Lissa e Rose retomam não apenas a rotina de estudos na São Vladimir como também o convívio com a fútil hierarquia estudantil, dividida entre aqueles que pertencem e os que não pertencem às famílias reais de vampiros. São obrigadas a relembrar as causas de sua fuga e a enfrentar suas temíveis consequências. E, quem sabe, poderão encontrar um par romântico aqui e outro ali. Mais importante, Rose descobre por que Lissa é assim tão especial: que poderes se escondem por trás de seu doce e inocente olhar?
Richelle Mead dá uma nova face à literatura vampiresca com este romance: mais ácida, apimentada e inteligente do que nunca, a saga dos Moroi e seus guardiões surpreende pelas reviravoltas e pela ousadia desses cativantes personagens.

Só com essa sinopse já dava pra gente parar por aqui, não? Mas é claro que não vou fazer isso com vocês.

Como a sinopse mesmo diz, Richelle acabou criando subdivisões para os vampiros. Mas calma, isso aqui não é um crepúsculo 2.0, nem nada disso. Somente uma releitura. Uma nova forma de enxergar esse mundo vampiresco.

Eu poderia descrever cada um deles, mas não vou. Primeiramente porque isso tiraria o gosto da descoberta. E em segundo lugar porque spoilers podem aparecer. Eu já li esta saga três vezes, assim como seu spin-off Bloodlines. Então spoilers é algo muito difícil de fugir.

Só o que vocês precisam saber é que Morois são benignos e utilizam a magia; Dampiros são meio humanos, meio vampiros; E Strigois são malignos, matam por prazer e sentem repulsão pela magia.

O livro conta a história de Lissa, Moroi, e Rose, Dampira. As duas são melhores amigas desde a infância, por mais que as duas raças não se misturem normalmente. Acontece que há uma hierarquia entre as raças, onde a Moroi sobrevalesse. É dito várias vezes que os Dampiros têm como missão serem guardiões dos Morois, protegendo-os acima de suas vidas. E é ensinado isso para eles desde crianças.

Rose nunca se importou com isso. Ela ama Lissa e quer ser sua guardiã. Tanto que fugiu com ela, indo viver no mundo dos humanos. Elas conseguiram este feito por dois anos, quando acabaram sendo recapturadas e obrigadas a voltar para a Academia São Vladmir.

Esta era apenas uma das muitas escolas, espalhadas pelo mundo, que educa os Morois e Dampiros. Para os Morois, aulas normais e de magia. Para os Dampiros, havia ainda o treinamento, teórico e prático.

Era óbvio que as duas precisariam de ajuda, tendo perdido dois anos de escola. Mas Rose era quem precisava mais.

Ela nunca fora muito estudiosa, mas suas notas compensavam com sue desempenho nos treinamentos. Não era mais o caso.

Tendo passado dois anos longe, sem treinar, era óbvio que estivesse enferrujada. A ideia da escola era expulsá-la. Era apenas mais uma Dampira, uma dentre tantos. Mas, um dos guardiões, achou melhor não. Ele usou como motivo o desempenho de Rose nos anos antes e mesmo agora, tendo conseguido fugir e esconder Lissa por tanto tempo. Além disso, era comum que Dampiras não se juntassem à causa dos guardiões, vivendo juntas em comunidades. E elas não tinham uma boa fama não.

Até então as chances de Rose ser admitida eram totalmente nulas. Mas o guardião apontou para um motivo que acabou com todas as dúvidas. Rose tinha um laço com Lissa.

Durante muito tempo, foram registradas pessoas que conseguiam se conectar com outras. Aquilo se chamava de laço. Rose parecia ouvir os pensamentos de Lissa, saber onde ela estava e como se sentia. Não só parecia. Ela de fato sabia.

Ninguém nunca soube como, mas todos sabiam que um laço poderia ajudar em algum acidente. 

Rose ficou. Mas foi submetida a aulas diárias, antes e depois do horário escolar, com um professor particular.

Se eu te falasse que nada mais, nada menos que Dimitri Belikov era seu professor. Não sabe? Joga ai no Google então Danila Kozlovsky.
Melhor ainda, deixa eu te mostrar.


Lindo sim ou claro?

Não é surpresa nenhuma que Rose tenha acabado se apaixonando por ela. Que se dane os sete anos de diferença! Não tinha como negar que havia uma forte atração entre os dois.

Mas na mesma medida que Rose era impetuosa e corajosa, Dimitri era responsável e comedido. Todas as vezes que ela dava um passo a sua frente, ele voltava dois. Tanto que Rose não sabia dizer se ele gostava dela ou não.

E em meio à confusão emocional, ela tinha ainda que lidar com Lissa. A amizade das duas ia bem, obrigada. Mas o laço era cada vez mais um peso incomodo. Rose conseguia vê o que Lissa via, sempre se preocupando com ela em primeiro lugar e deixando seus problemas para depois. Era chato, mas se tornou insuportável quando Lissa começa a se envolver com Christian, um Moroi que, embora fosse da realeza, era totalmente esquecido e marginalizado. 

Rose não gostou nada dessa relação. Lissa já tinha seus próprios problemas, e não devia acrescentar a caída de sua retomada reputação a eles. Ela tinha que se manter nas beiradas, aparecendo aqui e ali, mas sem dar na vista. Ou tudo poderia se repetir. Todo o motivo para elas terem fugido.

Agora some ai: problemas da adolescência + se preocupar com os outros primeiros + amor impossível + proteger sua melhor amiga + cuidar da reputação e dos romances dela. Qual o resultado? Uma confusão.

Mas uma confusão das boas. Além de ter uma escrita leve, como se conversasse com uma amiga intima, Richelle tem a proeza ainda de tratar de assuntos sérios e polêmicos com irreverência e uma pitada de humor.

Por mais que Rose tenha responsabilidades, ela sempre acha um modo de escapar. Seja fugindo da aula, ou fazendo comentários sarcásticos no meio de conversas sérias. Ela não ta nem ai pra opinião alheia e tudo que quer é se divertir.

Mas será mesmo? Seria ela somente isso?

Só lendo pra descobrir. Mas vou lhe dar uma dica, esta Rose de quem falo é só a ponta de iceberg.

Se encante com a doçura de Lissa. Se apaixone pela impetuosidade de Rose. Aprenda e ame o senso de justiça do Dimitri. Ria com a irreverência de Christian.

Academia de Vampiros não é só um livro adolescente no meio de tantos outros. É um livro revolucionário, que sem você perceber vai mudar sua forma de pensar. 


P.S: Existe sim um filme, mas eu não aconselharia. Reconheço o esforço dos envolvidos, é claro. Mas acredito que eles não souberam trabalhar com todo o potencial da história. Várias lacunas foram deixadas em abertas, e algumas coisas totalmente ignoradas. Se você acha o filme de Percy Jackson uma droga, nem pense em assistir este. Mas uma vez, obrigado mesmo assim a todos os envolvidos neste filme. Se vale de consolo, assisti duas vezes. Sem e com legenda. 

P.S.2: Estão reunidos aqui todos os links dos posts que falei sobre Academia de Vampiros.

Dimitri está aqui. (Atenção, contém spoilers. Leia por sua conta e risco.)

Nenhum comentário:

Postar um comentário