segunda-feira, 30 de maio de 2016

Resenha - Perdida

Geralmente quando ouvimos a palavra "segunda" torcemos o nariz.Também não é pra menos. É o início da semana, ou seja, hora de voltar a trabalhar/estudar. Mas esta realidade está prestes a mudar já que segunda é dia de RESENHA! 

Hoje vamos falar sobre um livro nacional! Hey, o que pensa que ta fazendo? Pode voltando. Vamos falar de nacional sim e eu não quero saber. Cada uma viu...




Sofia vive em uma metrópole e está acostumada com a modernidade e as facilidades que ela traz. Ela é independente e tem pavor à mera menção da palavra casamento. Os únicos romances em sua vida são aqueles que os livros proporcionam. Após comprar um celular novo, algo misterioso acontece e Sofia descobre que está perdida no século dezenove, sem ter ideia de como voltar para casa - ou se isso sequer é possível. Enquanto tenta desesperadamente encontrar um meio de retornar ao tempo presente, ela é acolhida pela família Clarke. Com a ajuda do prestativo - e lindo - Ian Clarke, Sofia embarca numa busca frenética e acaba encontrando pistas que talvez possam ajudá-la a resolver esse mistério e voltar para sua tão amada vida moderna. O que ela não sabia era que seu coração tinha outros planos...






sábado, 28 de maio de 2016

Kiera Cass

Aeeee é sábado!
E por qual motivo to comemorando? Porque é dia de falar como vocês, é claro! Achou que eu ia esquecer disso? Ia mesmo, mas isso não vem ao caso.

E hoje nós vamos falar dela, a diva, a top, a maravilhosa... (tambores rufando) Kiera Cass!


Se você, assim como eu, leu algum dos livros dessa linda e se apaixonou então vem comigo. Se você não leu, então vamos descobrir quem essa mulher, meu amor!

Se abrirmos qualquer livro da Kiera vamos encontrar na contra-capa a seguinte descrição:

"Kiera Cass nasceu em 1981, na Carolina do Sul, Estados Unidos. Formou-se em história na Universidade de Radford, na Vírginia, e publicou seu primeiro livro, The Siren, em 2009, em uma edição independente. Beijou aproximadamente catorze garotos em sua vida, mas nenhum deles era um príncipe."

Isso por acaso nos diz quem é Kiera de verdade? O que essa mulher gosta de fazer? Como ela é? Não. Então vamos tentar entender um pouco melhor essa criatura que nos fez chorar tantas vezes.

Foi em 19 de maio que esse ser cheio de luz resolveu dividir o mesmo planeta que nós. ainda bem. 

A primeira coisa que temos que saber sobre a Kiera é: ela é bem indecisa.

Não acredita? Então vamos aos fatos!

Logo que terminou o ensino médio, decidiu seguir sua maior ambição, o teatro. Formou-se, então, em Teatro Musical na Coastal Carolina University. Depois decidiu mudar de cusro e foi estudar Musica na Universidade de Radford. Mas não gostou... Então mudou para Comunicação e depois para História, onde finalmente se formou. Ufa!

Kiera afirma que é gente como a gente. É bem palhaça e todos no colégio a chamavam de esquisita. A gente te entende K. Ela também não ligava muito pra moda não, viu? Não andava coma turma descolada, mas tinha amigos fieis. Me identifiquei. 

Quando acabou de se formar, Kiera se casou com um garoto que ela mais rejeitava na faculdade. "Não sei como ele fez isso!", afirma a autora. Se mudou para Blacksburg, Virginia, onde pretendia ser bela, recatada e do lar. Quer dizer... ser dona de casa e cuidar dos filhos. 

Mas... a vida olhou bem pra Kiera e disse não. "Ela tem potencial para muito mais", confidenciou a Vida, "Não podia deixar todo seu talento oculto."

 A criadora de America acabou passando por um momento tenso de sua vida e decidiu escrever para ver como uma personagem passaria pelos mesmos problemas que ela. Isso acabou se tornando um hábito e logo ela já estava escrevendo A Sereia, que saiu esse ano inclusive aqui no Brasil.

"Pra mim ler é uma ótima maneira de lidar com os meus sentimentos, então a ideia de escrever uma história pareceu boa."

America foi a terceira personagem a "surgir" para Kiera, mas uma das primeiras a exigir que ela escrevesse sua história. A autora já confidenciou até que teve como inspiração a história de Ester(da Bíblia) e da Cinderela. "Cinderela nunca pediu um príncipe; pediu uma noite fora e um vestido."

A seleção foi publicada em 2012 e se passa num futuro alternativo. A trilogia chegou a ser cogitada para um série, a qual seria transmitida na The CW, mas o piloto foi rejeitado. :(
Mas não se entristeçam porque a Seleção vai virar filme! Agora sim! Os direitos foram comprados pela Warner Bros, mas ainda não foi revelado o elenco.

Não tem problema, a gente espera aqui quietinhos enquanto temos mini infartos. Tem problema nenhum :D

Eu confesso que já li todos os livros, tirando A Coroa e A Sereia. Mas em breve vou ler e talvez (Eu disse talvez) faça uma resenha de um desses livros. 

A Kiera já falou pra gente que se identifica com a May, mas teve problemas com a America. Ao contrário de Kalhen, protagonista de A Sereia, ela não contava tudo na lata e chegava a se misteriosa. Quando terminou o primeiro livro, Kiera percebeu que estava tudo errado sobre a ruiva e que ela precisaria rescrever. Também percebeu que quem ela cogitara ficar com a America era sua escolha, e não da protagonista.

America sendo rebelde desde sempre...

Por fim ela passou a escrever perguntando para America o que ela faria em seguida, o que nos deu essa joia que chamamos de livro. Ah, a danada sabia desde o começo a maioria dos segredos dos personagens, o que não deixou de surpreendê-la quando descobriu o romance de Marlle e Carter.

Ela disse que sabia que Marlee tinha um segredo, mas não sabia o que era e se isso seria revelado. "Quando isso ficou claro, precisei lidar com o fato de que ela e Carter seriam punidos." A tadinha teve que pesquisar sobre açoitamentos e essas coisas. "Foi difícil lidar com isso quando me dei conta de que aconteceria com Marlee. Tinha de fazer pausas enquanto escrevia, e chorei em alguns momentos."

A gente também, flor. Dá pra ver que a Kiera se importar tanto com personagens como nós, pobres mortais que choramos e pedimos para que eles sejam reais. 

Obras da Kiera:
  1. A Seleção -2012
  2. A Elite - 2013
  3. A Escolha - 2014
  4. A Sereia - 2016 (2009 nos Eua)
  5. O Príncipe - 2013
  6. O Guarda - 2014
  7. Contos da Seleção: O Príncipe e o Guarda - 2014
  8. A Rainha - 2014
  9. Diário da Seleção - 2014
  10. A Favorita - 2015
  11. Felizes Para Sempre - 2015
  12. A Herdeira - 2015
  13. A Coroa - 2016

Puxa! Essa história rendeu, hein? 

Algumas curiosidades: Kiera já veio ao Brasil, na Bienal de 2014. Sim, meus queridos. Ela também tem um canal no youtube:  Kiera Cass on YouTube.

Isso é tudo! Se tiver algo pra acrescentar, comenta a embaixo. Adorei falar sobre esa diva e deu pra ver que eu controlei bem meu lado fã - aham, claro que sim. Nos vemos então na segunda!

quinta-feira, 26 de maio de 2016

Todos a Bordo - Mulheres da Ficção (Com M maiúsculo)

Eu comecei esse blog há pouco tempo, mas já deu pra perceber que eu gosto de brincar. Eu sou do tipo que faz piada sim e ainda faz piada sem graça. Solto umas ironias e amo filmes de comédia. Pra mim não há nada que uma risada bem dada não possa curar. Mas também sei quando não é hora de brincar. E a hora é agora.

Todo mundo sabe o que aconteceu no RJ nesses ultimos dias... No momento em que descobri, uma frustração sem tamanha me invadiu. Frustração por isso ainda acontecer. Por ser considerado normal. Por culparem a vítima.

Não to aqui pra ser mais uma que vai falar sobre o quão repugnante este episódio é. Todos que tiverem um mínimo de empatia pelo outro sabe disso. Estou aqui que pra falar que não devemos aceitar isso. Devemos lutar!

Lutar pra que um dia "raça", gênero, cor, ou qualquer outro detalhe insignifcante seja apenas isso, um detalhe. Lutar para que sejamos todos iguais, com os mesmos direitos e deveres, e que esses sejam aplicados com vigor. Lutar para um amanhã melhor.

Foi pensando nisso que reuni aqui uma pequena lista das minha heroínas preferidas. Personagens que me inspiram e me encantam e que nos mostram que devemos sempre lutar naquilo que acreditamos.



1. Katniss Everdeen 

Eu decidi começar por essa garota em questão por causa da polêmica que ela gera. A história dela é bem conhecida: ela vive num futuro utópico (ou será que não?) em que a cada ano dois jovens, um menino e uma menina, são escolhidos para serem levados a um jogo mortal, televisionado, onde lutarão até a morte. A irmã dela, Prim, acaba sendo escolhida e ela se voluntaria para ir em seu lugar. Porém, uma série de acontecimentos a torna uma das finalistas e, se negando a matar seu companheiro, Peeta, ela acaba começando uma revolução.
E é ai que a polêmica se encontra. Existem uns e outros que dizem que ela não quis a revolução, que tudo que ela queria era salvar sua irmã.
Nesse ponto vocês estão certos. Mas isso não deixa de ser nobre.
Ela preferiu encarar a morte do que ter que perder sua irmã e isso, meus queridos, é coragem. Muita coragem. Uma pequena porcentagem faria o que ela fez, passaria pelo que ela passou e ainda continuaria lutando. Por isso ela merece todo o crédito. É heroína sim e ponto final.


"Além disso,não é da minha natureza cair sem lutar, mesmo quando as coisas pareciam insuperáveis."

2. Hermione Granger

Outra famosinha na nossa lista.Quem não conhece Hermione? A garota sabichona, a enciclopédia ambulante, a melhor amiga do garoto-que-sobreviveu.
Hermione foi uma das primeiras personagens que eu me identifiquei totalmente. E não é porque eu me acho a sabida não, okay? Nada disso. Hermione, por trás de todos aqueles livros e ar de intelectual, tem um coração muito bom. Ela sempre se preocupou com seus amigos, chegando a ponto de ser chata e insistente para mantê-los em segurança. É verdade que as vezes ela os dedurava (como no caso da firebolt), mas tudo era para o bem deles.
Ela até quebrava algumas regras para ajudar seus amigos e nós sabemos como ela detestava isso.
Outra heroína, senhoras e senhores!

"Eu... livros! E inteligência! Há coisas mais importantes, como amizade e bravura."


3. America Singer

"Tomei coragem para enfrentar o que estava por vir. Eu me fiz de forte. Enfrentaria o que surgisse. Quanto ao que tinha ficado para trás, decidi que era melhor assim: deixar para trás."

Ela se inscreveu na Seleção apenas porque seu amor pediu e porque sua mãe a "subornou". Ela não queria ser princesa, ao contrário do esteriótipo. Ela queria apenas casar com seu grande amor e passar o resto dos seus dias ao seu lado, mesmo com toda a sombra da pobreza a atormentá-la. Ela queria Aspen.
Mas o destino dela mudou e ela foi sorteada.
Ela foi para a Seleção e tentou se manter ali, para que seus pais continuassem a receber uma mesada. Para que em breve ela pudesse puxá-los para uma situação econômica mais estável e confortável.
Ela gostava do príncipe? Não. Mas ela ficou para o bem de todos.
E não podemos nos esquecer do quanto ela lutou para fazer com que o príncipe enxergasse o quanto o seu povo sofria. Ela podia não ser uma rebelde, mas tinha as mesmas crenças e atitudes que um.
Ela não queria ser princesa e isso a tornou uma guerreira.

4. Eadlyn Schreave

"Você pode ser corajosa e ainda ser feminina. Pode liderar e ainda gostar de flores. E o mais importante: você pode ser rainha e ainda ter um marido."

Ah, mais uma que está gerando uma polêmica... Eadlyn tem admiradores e haters. Como qualquer outra pessoa. As vezes parece que tem mais haters do que admiradores e eu me supreendo quanto a isso.
A Herdeira é forte, decidida, sabe que vai ser rainha e, por mais que as vezes não queira, sabe que tem que ter pulso firme. E ela tem, meus senhores. E como tem. Nunca vi personagem com uma personalidade mais forte que esta garota. Ela sabe o que quer e vai atrás. Simples assim.
Talvez seja por isso que não agrade tanto.
Todos estão acostumados com a imagem de princesa perfeita, que está ali apenas para enfeite do príncipe, apenas para sua conveniência. A garota que nunca diz não, que aceita tudo de bom grado e que nunca tem uma opinão sobre algo.
Mas não a Eady.
E foi isso que fez com que a maioria dos selecionados a temesse. Eles sabiam que não seria fácil conquistá-la e que cantadas baratas não funcionaria com ela. Tiveram medo.
Eadlyn pode não ser uma heroina com todas as letras. Ela ainda não salvou nenhum mundo. Mas ela mudou todos os paradigmas sobre como uma princesa deveria se comportar.
Ela é decidida. Ela é guerreira.
Era de se esperar que a filha de America e neta de Clarckson fosse assim.
Eadlyn, você é o nosso exemplo!

5. Rose Hathaway

Cá está uma personagem nem tão conhecida assim. Mas do que isso importa?
A primeira vez que li Academia de Vampiros eu me apaixonei por ela. Ela era uma dampira, meio vampira meio humana. Ela era considerada uma raça inferior. Ela era uma mulher. Mas ainda assim estudava para ser uma guardiã.
Veja bem, nessa sociedade onde os Morois dominam, os dampiros são vistos como uma raça inferior, a qual está ali apenas pra servir. Rose queria ser uma guardiã, o que era raro. Em sua escola só havia ela e mais outra garota. Ela estava claramente em desvantagem.
Mas isso não a fez mudar de ideia.
Ela queria lutar. Mas que isso, ela queria proteger sua melhor amiga, Lissa, a última dos Dragomir.
Elas fogem. Vivem entre os humanos por dois anos. São capturadas. Voltam para a escola em desvantagem acadêmica. E Rose ainda se apaixona por seu instrutor.
Mesmo assim, ela continua treinando para ser guardiã, embora saiba que desse modo não poderá ficar com seu amado.
Ela põe sua amiga em primeiro lugar, o que quase a enlouquece.
Não resta a menor duvida de que Rose Hathaway merece sim um lugar nesta lista.
P.S.: Rose é engraçada e totalmente sarcástica. Tem como não amar? Não!

"Se você encostar em mim - disse eu gentilmente - Vou lhe dar a oportunidade de conferir se consegue se curar. E então vamos descobrir o quão foda você é."
 (Rose à Adrian)

6. Sydney Sage

Sydney Sage é uma alquimista, uma organização que vigia e ajuda a manter no anonimato os vampiros. Ela é a típica nerd. É inteligente, gosta de ler, de café e não tolera um pingo de bagunça. Ela teria tudo para ser chata. Mas não é.
Sydney foi educada por seu pai, um homem rude e que não muda de opinião. É ela também que cuidou de sua irmã mais velha e manteve seu segredo. Além disso, Sydney preza pela segurança de sua irmã mais nova e, como Katniss, prefere se por em perigo no lugar da caçula.
Mas ela se apaixona por um Moroi. Um Moroi que trocava de garotas na mesma velocidade que esvaziava seu copo ou fumava seu cigarro. Um Moroi que desrespeitava as leis. E ainda sim ela o amava.
Sydney passa a saga lutando. Lutando para fazer seu trabalho e orgulhar seu pai. Para proteger suas irmãs a qualquer custo. Lutando para vencer seus sentimentos por Adrian e, depois, para conseguir viver com ele.
Ela luta não é só contra seus familiares, mas também contra seus próprios preconceitos. Ela percebe o quão equivocada estava e corrige seus erros.
Sydney Sage buscar ser uma mulher melhor. Sydney Sage, quero ser como você.

"Adrian estava ali encostado no batente da porta, observando-me com o coração nos olhos. No meu peito, meu coração estava quebrado. Na minha bochecha, o lírio me lembrava quem eu era."


7.Sofia Alonzo

E claro que não poderia faltar uma brasileira nessa lista. Ta pensando o quê?
Sofia é uma workholic assumida. Quando ainda estava na faculdade, seus pais morreram num acidente deixando de herança muitas contas para pagar. Sofia então larga sua faculdade de artes e se lança na de administração, que era mais estável. Ela passa a trabalhar numa empresa para pagar os estudos e continua lá por um bom tempo depois.
Sofia não acreditava no amor, a não ser que esse se passasse numa página de um livro. Os romances clássicos eram os seus preferidos. E foi isso que sua vida se tornou.
Sofia acaba parando no século XIX, usando apenas uma saia jeans e uma regata. Uma roupa um tanto escandalosa, não acham?
Ela tem a sorte então de encontrar Ian, que a ajuda e a hospeda até que ela se "lembre" onde vive.
Sofia tem agora um novo desafio, só poderá ir para casa quando achar o que sempre procurou. Mas o que seria?
Enquanto tenta dar um jeito de ir para o século certo, Sofia vai se apaixonando por Ian, e ele por ela. Um casal um tanto quanto diferente.
Ele era cavalheiro, educado e encantador.
Ela era bagunceira, teimosa e desastrada.
Isso para não ressaltar o óbvio, ela não sabia como se portar naquele século.
Mas o que mais me encantou em Sofia foi que ela não mudou o que era. Continuou querendo ser independente, além de ir atrás de direitos iguais. Revolucionou o modo como Ian achava que uma dama deveria ser e trouxe de volta a alegria para ele.
Sofia mostrou que não importa a época, as circunstâncias ou o cara bonitinho... Mulher tem que ir atrás daquilo que é seu, sim. E nunca acreditar nem por um minuto que é inferior a ninguém. Ora essa!


"Eu estava ali para aprender. Aprender a amar, eu pensava. (...). E aprendi que uma vida simples podia ser a mais complexa de todas, a mais feliz de todas, sobretudo se o amor da sua vida estivesse ao seu lado. (...)"

P.S.2: Aguardem que esta não será ultima vez que vocês verão a Sofia. Ah, não será mesmo!


segunda-feira, 23 de maio de 2016

Resenha - Dezesseis Luas



Ok, eu sei que muita gente torceu o nariz no momento que viu esse título. Vocês tem todo o direito, julgando por como foi o filme. Mas ai que vai uma novidade: o filme não tem nada a ver com o livro!
Não acredita? Olha isso então:

"Uma hora passava mais rápido e ao mesmo tempo mais devagar. Eu sentia como se tivesse sugado o ar de um balão gigante, como se meu cérebro não estivesse recebendo oxigênio suficiente."

Querem mais provas?Então ai vai a resenha de hoje!

sábado, 21 de maio de 2016

John Green



"Mas todo mundo deveria ter um amor verdadeiro, que deveria durar pelo menos até o fim da vida da pessoa."

Tão belas palavras... Quem vê acredita ser de algum escritor romântico, autor daqueles livros que nos fazem chorar e desejar ardentemente que fossemos nós os protagonistas das histórias. Mas não é bem assim.

quinta-feira, 19 de maio de 2016

Sou uma viciada, e agora?



Tudo começou quando você viu aquele livro que tinha uma capa bonita e que logo te chamou atenção. Você o viu, pegou e não largou mais. Ou então, quando você conheceu o mundo dos gibis e passou a viver entre as palavras e desenhos.

O começo é quase sempre igual, mas se tem algo que não muda é o final.

Você leu um, dois, três. Pediu pra sua mãe comprar mais. Chamou o pai e fez cara de cachorro que caiu da mudança e perguntou se dava pra adiantar a mesada. Mais um livro foi comprado. E depois outro. E mais outro. Mas ainda não é o bastante.

segunda-feira, 16 de maio de 2016

Resenha - Extraordinário


Sinopse: August Pullman, o Auggie, nasceu com uma síndrome genética cuja sequela é uma severa deformidade facial, que lhe impôs diversas cirurgias e complicações médicas. Por isso, ele nunca havia frequentado uma escola de verdade... até agora. Todo mundo sabe que é difícil ser um aluno novo, mais ainda quando se tem um rosto tão diferente. Prestes a começar o quinto ano em um colégio particular de Nova York, Auggie tem uma missão nada fácil pela frente: convencer os colegas de que, apesar da aparência incomum, ele é um menino igual a todos os outros.


sexta-feira, 13 de maio de 2016

Iniciando nossa viagem



Duas postagem num dia só, Tia Mila? Sim, duas postagens num dia só. Mas não vai se acostumando não que eu não sou uma desocupada pra ter todo o tempo do mundo. (Talvez eu seja, mas não conta pra minha mãe).

Estão preparados para começarmos nossa viagem? Então apertem os cintos!

A Preparação... Ou O Prólogo, Como Preferir



Como toda viagem, seja ela real ou não, tem que haver um começo. Mas não necessariamente precisa ter fim...